quarta-feira, 28 de outubro de 2015

99 – Close up (Nema-ye Nazdik) – Irã (1990)


Direção: Abbas Kiarostami
Jovem cinéfilo apaixonado pelo trabalho do diretor iraniano Mohsen Makhmalbaf acaba preso ao se fazer passar pelo famoso diretor e vai a julgamento, acusado por uma família rica de falsidade ideológica, roubo e extorsão.


A ilusão imaginária consiste em crer que a realidade tem o poder de sua própria representação, em atribuir à realidade ausente representada pela imagem o poder de se apresentar ela mesma em imagem. (...) Essa ilusão está de algum modo ligada àquilo que podemos chamar de transparência da imagem. (...) Não vemos a imagem, só vemos a própria coisa representada, assim podemos dizer. (WOLFF, 2005, p.38)

Antes da arte, olhávamos para o ícone e acreditávamos ver o próprio deus, diretamente, sem representação. Depois da arte, olhamos para a televisão e cremos ver a própria realidade, diretamente, sem representação. A causa está ausente, o trabalho de produção da imagem não é mais visto na imagem (...) Mas, nos dois casos, o céu ou a terra, há homens que criam as imagens, por inteiro, um homem que escolhe seu enquadramento, suas cores, que seleciona o que vai mostrar e o que vai esconder. (WOLFF, 2005, p. 43-45)

(...) no palco um ator se apresenta sob a máscara de um personagem para personagens projetados por outros atores. A platéia constitui um terceiro elemento da correlação. Elemento que é essencial, e que entretanto, se a representação fosse real, não estaria lá. Na vida real, os três elementos ficam reduzidos a dois: o papel que um indivíduo desempenha é talhado de acordo com os papéis desempenhados pelos outros presentes e, ainda, esses outros também constituem a platéia (GOFFMAN, 1999, p. 9)

O “eu”, portanto, como um personagem representado, não é uma coisa orgânica, que tem uma localização definida, cujo destino fundamental é nascer, crescer e morrer; é um efeito dramático, que surge difusamente de uma cena apresentada, e a questão característica, o interesse primordial, está em saber se será acreditado ou desacreditado (GOFFMAN, 1999, p. 231)

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Trad. Maria Célia Santos Raposo. 8.ed. Petropolis, RJ: Vozes, 1999.

WOLFF, Francis. “Por trás do espetáculo – o poder das imagens” in NOVAES,  Adauto. Muito além do espetáculo. 1a Edição: Editora Senac: São Paulo, 2005.


Download:
Torrent + Legenda

2 comentários:

  1. Ouvi falar desse filme mas ainda não consegui ver, parece bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é uma história interessante...
      acho que vale à pena, sim!

      Excluir