quinta-feira, 27 de março de 2014

31– A criada Hanyo (Hanyo) – Coréia do Sul (1960)


Direção: Kim Ki-Young
O filme é um thriller de horror doméstico Um compositor de piano acaba de se mudar para uma casa de dois andares com sua esposa e dois filhos. Quando sua esposa grávida fica exausta de trabalhar em uma máquina de costura para sustentar a família, o compositor contrata uma empregada para ajudar com o trabalho da casa.



Clássico sul-coreano.

Longe de ser um terror, com gritos, fantasmas e outros exageros. Hanyo é simplesmente um suspense psicológico, com uma alta dose de tensão provocada, sobretudo, pela trilha sonora e sua mise-en-scéne. A locação foi escolhida a dedo. Aquelas divisórias caíram como luva no propósito de tensionar. Toda vez que eram abertas, vinha o suspense de saber o que estava se passando no determinado cômodo ou o que poderia acontecer. A face sinistra de Hanyo atrás das janelas também davam um susto a mais.

No entanto, do meio pro final o filme foi se perdendo. Uma série de fatos absurdos, que não se justificam, foram acontecendo e tirando toda a credibilidade da história. Algumas situações são risíveis. E termina com um final tosco, com um moralismo machista e cafona.


Mas, ainda assim, é um filme bom de ser visto.


Download:

4 comentários: