quinta-feira, 25 de julho de 2013

67 - O Orador (O le tulafale) – Samoa (2011)



Direção: Tusi Tamasese
Um curioso retrato da cultura samoana, o filme conta a história do agricultor Saili. Ele e sua família procuram viver de modo reservado e por isso evitam o contato com outras pessoas da vila. Quando um fato inesperado ocorre, Saili terá que assumir um papel desafiador para conquistar o respeito de sua comunidade.


Que aperto no peito! Que nó na garganta! Que Samoa! Que lindo!


Download:

12 comentários:

  1. Oi Az
    Passei aqui para abusar do espaço deixando uma dica de leitura, para que coisas assim não caiam no esquecimento tão rapidamente como num click
    http://www.dialogosdosul.org.br/websul/evo-explica-a-verdadeira-divida-externa/
    Ainda volto para comentar esse filme.
    abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Soli,
      Fique sempre à vontade, você e Evo têm carta branca aqui no blog.
      Já conhecia esse texto, realmente fantástico. Só destaco, que ele não se refere à Evo, mas tem a sua autoria ligada ao chefe indígena Guaicaipuro Cuatemoc. Independente de quem seja o dono da voz, o texto realmente não deve cair no esquecimento.
      Aqui o link do Abujamra recitando brilhantemente: http://www.youtube.com/watch?v=0gYFxBpPlOY

      E aproveitando o ensejo, compartilho um outro blog meu, mais modesto, em que não me dedico muito, nem divulgo, mas que talvez possa interessar:
      http://blogdokizumba.blogspot.com.br/

      E aproveitando mais ainda... você tem face? Curte a página do blog do 366filmes no face, que eu te acho e te adiciono (ou vc me acha e me adiciona)... e por lá dá pra trocar ainda mais figurinhas e textos!
      grande abraço

      Excluir
  2. Olá Az
    Obrigado pelo convite do face. Oxê, devo confessar um dos meus paradoxos, se por um lado me gusta internet , por outro venho resistindo ver meu tempo ser consumido por certas modernidades que sugam o tempo de viver. Ando na contramão dos face, instagrans, skipe pisando leve para não deixar marcas na areia, quase ninja rsrsrs.
    Depois de Vaiaga ter dito “As pedras podem apodrecer as palavras não”.
    Dizer do Orador seria quebrar a intensidade de sua complexa simplicidade, se deixando levar pelos olhos da estética, ou das antropologias com seus conceitos abarcantes sobre tradições, rituais, sobre construções de identidades culturais que para se afirmarem como identidades excluem o que lhes parece diferente, para esses issos fico devendo o comentário, mas talvez um comentário valha a pena ser dito depois de Leopao Saili o inhame (que gosto muito) trará além do gosto, lembranças de Samoa.
    Ps surpresa foi ver em um jogador a camisa escrito Venezuela, se ainda fosse de Neymar rsrsrsrs, pensando bem melhor é Venezuela mesmo
    Até a próxima
    abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, Soli, acho que sua sensação foi a mesma que a minha. Minha falta de comentário é justamente pelo receio de falar demais e "quebrar a intensidade" do filme. Ainda assim, sua economia de palavras e suas lembranças sensoriais acabam por traduzir ainda melhor um pouco das minhas sensações diante de O Orador. Até quando você não comenta, seus comentários dizem muito :)
      inté

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. Oi Angela,
      atualizei o link, pode tentar baixar agora.
      se for encontrando outros filmes com link expirado me avisa que eu atualizo.
      abraço,
      Az

      Excluir
  5. O link tá fora. Valeu

    ResponderExcluir