sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Top 10 - FEVEREIRO


No dia 18 de fevereiro comemora-se o aniversário de um dos maiores atores da história do cinema: John Travolta. Minha admiração por esse cara surgiu desde a primeira das vinte vezes que eu vi Grease. Entre grandes filmes e outros decadentes, Travolta ocupou seu espaço como uma figura quase folclórica, fazendo a diferença e mantendo o alto nível de suas atuações, independente da qualidade de seus filmes.

É por isso que fevereiro eu dedico a homenageá-lo, trazendo alguns de seus melhores filmes.


Os embalos de sábado à noite (Saturday Night Fever) – Estados Unidos (1977)
Direção: John Badham

 O primeiro estrondoso sucesso de John Travolta, Saturday Night Fever foi um retrato de uma geração, virou febre no mundo inteiro, eternizou o Bee Gees e presenteou o cinema com um personagem histórico: Tony Manero. O filme desperta uma sensação de “nostalgia daquilo não se viveu”, uma vontade de usar aquelas roupas elegantes e detonar na pista de dança das discotecas.




Grease – nos tempos da brilhantina (Grease) – Estados Unidos (1978)
Direção: Randal Kleiser

Outro clássico do cinema, que também faz o espectador querer voltar no tempo. Que vontade de usar aquelas costeletas de Danny Zuco, estudar naquele colégio, envenenar o calhambeque e dançar Summer Nights. Grease é um daqueles filmes que atravessa gerações e faz com qualquer um admirar John Travolta. Da turma da década de 1970, até a nova geração da década atual, quem for ver o filme vai se divertir e passar pelo menos uma semana repetindo “Tell me more, tell me more”. Um dos melhores musicais do cinema, com a apaixonante dupla Olívia Newton-John e John Travolta.


Olha quem está falando (Look Who´s Talking) – EUA (1989)
Direção: Amy Heckerling

Um dos maiores clássicos da Sessão da Tarde. Quem não se apaixonava por aqueles bebês fofinhos!? Hoje em dia pode não ser muito interessante, mas esse filme fez grande sucesso para a geração nascida nos anos 1980, sobretudo a garotada que preenchia suas tardes com filmes como esse. No papel do taxista James Ubriacco, Travolta dá novamente um show, com direito a dancinha e tudo, em uma das cenas.




Pulp Fiction – tempo de violência (Pulp Fiction) – EUA (1994)
Direção: Quentin Tarantino

Aqui Travolta não é mais um exímio dançarino, nem um personagem “fofinho”. Em uma de suas melhores atuações, o ator encarna Vincent Vega, um clássico personagem que, ao lado de Samuel L. Jackson (devidamente trajados), protagonizam uma das maiores duplas do cinema. Em Pulp Fiction Travolta até que dança (em uma seqüência sempre lembrada, com Uma Thurman), mas também mata, cheira, aplica injeção e ainda desfila de bermudinha e rabo de cavalo. Pulp Fiction é um das maiores obras cinematográficas já feitas, que destacou para o mundo um dos mais consagrados diretores atuais: Tarantino.


Fenômeno (Phenomenon) – Estados Unidos (1996)
Direção: Jon Turteltaub

No melhor estilo “Cinema em casa”, do SBT, Fenômeno tem uma história interessante, ainda que o filme não seja lá grandes coisas. Mas é daqueles filmes prazerosos de se ver, que ocupa o ócio, diverte e ainda é capaz de emocionar. Nele, Travolta interpreta George, um mecânico de uma pequena cidade, que sofre um acidente e passa a desenvolver um intenso fluxo cerebral, que o torna um gênio, mas traz algumas conseqüências negativas. Um belo filme, que não é tão marcante na filmografia de Travolta, mas tem o seu valor.



O quarto poder (Mad City) – Estados Unidos (1997)
Direção: Costa-Gavras

Talvez a melhor representação do poder midiático já feito no cinema. Em Mad City, Costa-Gravas desenrola a trama a partir de um acontecimento banal, mas que serve para revelar todas as estratégias de manipulação e exibição da informação e dos fatos, pela grande mídia. Um filme obrigatório para todos os estudantes de Comunicação, sobretudo Jornalismo, e extremamente recomendável para todo e qualquer indivíduo que pretende aguçar seu senso crítico diante das notícias que lhe são colocadas através imprensa e, sobretudo, da televisão. Travolta, interpretando Sam Baily e Dustin Hoffman fazem uma dobradinha espetacular.

Loucos de Amor (She´s so lovely) – França/Estados Unidos (1997)
Direção: Nick Cassavetes

She´s so lovely tem o roteiro assinado por John Cassavetes, dirigido por seu filho, Nick, e brilhantemente interpretado por Sean Pean, Robin Wright Pean e, claro, John Travolta, que interpreta Joey Germoni. Apesar de não ser uma grande obra e pecar pela irregularidade narrativa, o filme dá conta daquilo que se propõe: é neurótico e insano como os seus personagens e sua própria história. Vale à pena ver para curtir o desequilíbrio underground que marca o filme.



A Senha: Swordfish (Swordfish) – Estados Unidos (2001)
Direção: Dominic Sena

A seqüência inicial é impecável. Quem não quiser ver o filme inteiro, pelo menos assista o começo. Certamente deve ter dado orgulho ao diretor, que consegue trabalhar bem o restante do filme. A estética é bastante clichê, no molde padrão de Hollywood, o que não impede o desenvolvimento de uma história interessante, com alguns pontos altos e outros mais razoáveis. Travolta interpreta Gabriel Shear e qualquer elogio à sua atuação é redundante.




Violação de Conduta (Basic) – Estados Unidos (2003)
Direção: John McTiernan

Um prato cheio para quem gosta de ação, um enredo interessante e algumas trocas de tiro. O filme, como um todo, é bom e envolvente. No entanto, o final é o que mais se elogia no filme, sendo surpreendente e deixando o espectador satisfeito. Tem que ser visto com atenção, sem perder os detalhes. Travolta interpretando Hardy é um diferencial para o filme!





Uma canção de amor para Bobby Long (A Love song for Bobby Long) – EUA (2004)
Direção: Shainee Gabel

Um dos melhores últimos filmes de Travolta. Ao lado de Scarlett Johansson, ele protagoniza Bobby Long e contribui para uma obra belíssima, sensível e artística. Apesar de não ter tido muito sucesso nos cinemas dos Estados Unidos, o filme é um dos melhores da carreira de Travolta, onde ele interpreta um personagem com uma forte carga dramática e dotado de sensibilidade. Um belo e emocionante filme!






Download:

Torrent + Legenda (Olha quem está falando)**

* Contém o pacote com todos os torrents de cada um dos 10 filmes e suas respectivas legendas - exceto "Olha quem está falando" que está dublado, e "Loucos de Amor", cuja legenda está em espanhol.

** Agradeço a Antonio Fernando que me enviou o torrent do áudio original e a respectiva legenda de Olha quem está falando. Muitíssimo obrigado!







Um comentário:

  1. A carreira de Travolta daria um belo filme. No final dos anos oitenta ele estava em baixa quando fez surpreendente sucesso com "Olha Quem Está Falando". Depois sua carreira não decolou novamente e parecia que o fim tinha chegado, até aparecer Tarantino com "Pulp Fiction".

    Abraço

    ResponderExcluir