quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

358 - Ainda orangotangos (idem) – Brasil (2007)



Direção: Gustavo Spolidoro
Roteiro: Gustavo Spolidoro; Paulo Scott; Gibran Dipp
Durante 14 horas de um dia quente de verão, quinze personagens transitam pelas ruas e prédios de Porto Alegre. Um dia mais que normal na capital gaúcha, em um único plano-sequência de 81 minutos.

Um dia em Porto Alegre, percorrido por um único plano-sequencia de cerca de 80 minutos.
Uma obra extremamente ousada, baseada em uma história insanamente interessante.
Um filme de gaúchos para gaúchos (e todos que amam essa terra, como eu), que infelizmente peca pelo excesso de coloradismo (carece de personagens gremistas), mas compensa com um pequeno passeio pela cidade.
Fico só pensando: e se no minuto 40 o diretor tem vontade de fazer xixi, ou a atriz esquece a fala, ou um dos assistentes tropeça?
Por conta disso, me recordei de um trabalho de escola que nos tempos de outrora eu fiz com meus colegas. A gente gravava um vídeo para apresentação, mas em uma determinada cena tivemos problemas, pois o nosso colega/ator não conseguia falar o texto sem dar risada. Rodamos diversas vezes e nada. Até que já estávamos impacientes e finalmente ele conseguiu falar normalmente. Eis que perto de terminar a cena chega a sua vó e, sem perceber que estávamos gravando, larga um “Oi Guga, tudo bem? Cadê sua mãe tá lá em cima?”. Não sentimos ódio porque caímos na gargalhada e recomeçamos a gravação.
Mas, se esse drama aconteceu durante um mero vídeo escolar, imagine se algo parecido acontecesse no meio da gravação de Ainda orangotangos, rodado todo em um único plano-sequencia!? Se aparecesse uma “vó” dessas no caminho, tenho certeza que acabaria em assassinato.
Parabéns Gustavo Spolidoro e toda a sua equipe por ter conseguido realizar um trabalho tão desafiador!


Minha nota: 7,3
IMDB:  6,9
ePipoca: 6,9

Sugestão: Sal de prata

Download:

4 comentários:

  1. Recomeçamos novamente?
    kkk, olha a redundância!
    Aproveitando pra elogiar seu blog, tenho ele na minha lista de favoritos e é sempre bom pegar alguma dica de cinema aqui.
    abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se a gente recomeça uma vez estamos recomeçando; mas se a gente recomeça pela segunda ou terceira vez seguida não estaríamos "recomeçando novamente"?
      Na dúvida, segui o seu conselho e corrigi!
      obrigado pela visita e pelo elogio.
      um abraço

      Excluir
  2. Olá Az
    Ochê !!! Tchê!!! Barbaridade!!!
    Achei “Ainda, orangotango” escancarado e em alguns momentos até indigesto. Mas, reconheço que muito provocador pela proposta de apontar o grotesco primitivismo contemporâneo, embora queira crer que se os orangotangos assistissem ao filme, talvez quisesse dizer: Rapazes, sou orangotango e esses aí não nos representam, é melhor vocês ficarem somente com o “Ainda” deixem os orangotangos fora dessa!! (brincadeira).
    O filme vale muito pelo esforço de realizar a técnica, isso é importante quando se pensa na construção de identidade cinematográfica, gostei do jogo (parece mesmo futebol), e a gente vai acompanhando o a bola que vai, através dos atores, sendo passada de um para o seguinte, e por esse entre cruzar o continuísmo vai costurando o filme e o jogo sendo jogado.
    Achei ousada e muito boa a parte do pesadelo (minha aposta é que o olhar hitchcockiano pairou ali sobre os pombos, quem sabe a alusão seja uma homenagem), gostei da ideia do papel debaixo da porta como elo ligante simples e genial, a trilha sonora teve uma presença que criou forma e virou personagem.
    Gostei muito da captura de transformação do olhar do menino no filme, é como se na marginalidade não coubesse perguntas, porque ela já é sempre só resposta. Um olhar forte e parecido assim eu vi na pequena que fez “Indomável Sonhadora”, mas isso já é outra história.
    O saldo é positivo, quanto ao Inter e o Grêmio se não empatar, um vai ganhar e o outro vai perder. Relaxa que vai ter volta.
    Um abraço, obrigado pelo espaço do exercício.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha, legal Soli! O cartão de visitas para mim foi o fato de ele ser todo em plano-sequencia. Mas o filme não para aí, ele traz tudo isso que você atentamente comentou.
      Mais uma vez, eu que lhe agradeço por complementar tão bem as minhas postagens, saindo melhor do que a encomenda.

      grande abraço

      Excluir