quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

330 - O incrível exército de Brancaleone (L´armata Brancaleone) – Itália (1966)



Direção: Mario Monicelli
Roteiro: Mario Monicelli; Agenore Incrocci; Furio Scarpelli
Em plena Itália do Século XI, o cavaleiro Brancaleone, uma espécie de Don Quixote maltrapilho, forma um exército de quatro miseráveis mortos de fome e parte em direção a um feudo a que julga ter direito. No lombo de um pangaré, ele vai se defrontar com a peste negra, bruxas e bárbaros de todas as espécies, numa sátira demolidora dos conceitos de honra e coragem sobre os heróis medievais.


Branca, branca, branca! Leon, Leon, Leon!
Acho que o melhor texto que explica a graça desse filme e a sua relação com a geração da década de 1970 é esse aqui, do Paulo Moreira Leite, escrito em 2010:
Se você era jovem na década de 70 e participava de manifestações estudantis, com certeza irá se lembrar daquelas assembléias que, vez por outra, eram interrompidas por um grito de guerra ritmado e divertido: “É Branca, Branca, Branca…Leon, Leon, Leon…”
Se, além disso, você também gostava de cinema, saberia que esse grito reunia duas referencias — a comédia O Incrível Exercito de Brancaleone — e o primeiro nome de Leon Trotsky, inspirador da Organização Socialista Internacionalista, grupo político que fundou e dirigia a tendencia estudantil Liberdade e Luta.
Reproduzindo um coro que marca várias cenas do filme, quando os protagonistas vencem batalhas dadas como perdidas, os libelus gritavam pelas assembléias estudantis: “Branca, Branca, Branca…”
Sempre quis entender por que isso aconteceu. O cinema explica. O Incrivel Exército de Brancaleone reune um conjunto de maltrapilhos da Idade Média, solidários, infelizes e sem futuro. Eles atravessam cidades destruídas pela peste, enfrentam o frio e a fome, perseguem sonhos e miragens — mas seguem fiéis a si mesmos e a seu modo de vida, com aventuras e risco. Não perdem o humor nem a capacidade de auto-ironia. Sabem que em algumas situações é mais importante não desistir do que vencer.
O filme não tem herois e sorri com simpatia piedosa para quem se candidata a.
Leio nos jornais que o diretor de Brancaleone, Mario Monicelli, acaba de morrer, aos 95 anos. Deixou filmes memoráveis mas nenhum como o Incrível Exército de Brancaleone.  É um filme bom para qualquer época.






Minha nota: 7,5
IMDB:  7,8
ePipoca: 8,2



Download:

Nenhum comentário:

Postar um comentário