quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

320 - Cocalero (Cocalero) – Bolívia (2007)



Direção: Alejandro Landes
Roteiro: Alejandro Landes
Filho da guerra norteamericana contra as drogas, um índio Aymará chamado Evo - acompanhado de uma tropa de cocaleros (produtores de coca) - atravessa os Andes e o Amazonas vestindo jeans e calçando sandália. Ele encabeça uma contenda histórica para se transformar no primeiro presidente indígena da Bolívia.

Os bastidores e a intimidade da campanha de Evo Morales para a presidência da Bolívia, em 2006.
“Companheiras e companheiros, para ser líder não se necessita estatura. Não se necessita ser alto, nem loiro. Para ser líder, tem que ser engenheiro, doutor ou advogado? Para ser líder, a qualidade pessoal não tem a ver com sua formação. Pode haver companheiras e companheiros que por não haver podido ir à escola não escrevam bem. Não necessariamente o que escreve melhor venha a ser um bom líder. Quando vamos eleger um líder do sindicato não buscamos nada disto.”
“Este dos campos de coca também tem sua história. Com esta coca nós não temos feito a droga. A droga tem sido feita nos EUA, porque nós éramos ingênuos. Eles tem transformado em droga nossa sagrada folha de coca. E eles mesmo a consomem. Eles mesmo nos pedem. A Coca-Cola, com que se faz? E isto é deles. A Coca-Cola é com a coca mesmo. Se nós lhes pedíssemos aos EUA que deixe de fazer a Coca Cola, e esta é mundialmente famosa, seria uma tristeza para eles também. Nós mesmos podemos controlar nós bolivianos sem a necessidade do exército americano nem de ninguém.”
“Meu nome é Germán Vargas e sou um trabalhador têxtil. Os Estados Unidos compram muitas coisas que fabricamos. Graças a essas exportações, quase temos um trabalho seguro para sustentar nossas famílias. Eu não tenho nada contra Evo Morales, mas se ele for presidente, os EUA vão deixar de comprar e as fábricas vão fechar. A verdade é que eu tenho medo de perder meu trabalho.”
“Primeiramente, estou muito surpreso e nervoso por estar neste hotel de luxo, com empresários solidários aos pobres, com as maiorias, com indígenas e trabalhadores. É verdade que temos sido permanentemente satanizados, ou criminalizados, quem sabe desprezados, discriminados, mas essas atitudes demonstram que talvez pouquíssima gente pode nos humilhar, nos ultrajar. E não são todos, não poderiam ser todos.”
“Índio de merda! Negro de merda, ande! Kolla de merda! Kolla de merda! Não lhe queremos! O que vem fazer em Santa Cruz? Kolla de merda! Como um índio poderá nos governar? Como pensam que alguém sem nem o primário poderia nos governar?”
“ALCA... ALCA... Ao caralho! Um minuto de silêncio... para a ALCA que está morta!”
“ - Você sabe que a disciplina e a hierarquia das Forças Armadas, é um pilar fundamental da instituição. Você respeitará essa hierarquia e a institucionalidade do exército?
- Antes de chegar ao quartel, eu sabia que tinha de respeitar a hierarquia militar. Como não conhecia os graus, os primeiros dias nos quartel, eu dizia a todos: ‘Meu superior, meu superior’. Neste momento entendi que era importante respeitar a hierarquia militar. Além do mais, se eu ganhar as eleições, de acordo com o Estado Boliviano, serei o Capitão Geral das Forças Armadas. Vocês também têm de respeitar o Capitão Geral das Forças Armadas, não?”
“Terá que usar terno e gravata, não? Mas os presidentes devem usar terno e gravata. Não tem de obedecer as regras? Todos vão estar lhe observando.”
...
Referências ao Brasil:
- Em uma passeata de Evo, estão erguidas bandeiras de cinco presidentes latino-americanos, entre eles Lula, então presidente do Brasil na época.
- Após entrevista com uma assessora de Evo na TV, o apresentador anuncia a próxima apresentação: “Na volta falaremos com um boliviano que triunfa no exterior, inclusive já foi convocado pela Seleção Brasileira”. Em seguida a câmera mostra o jogador Marcelo Moreno, que, por sinal, saiu da Bolívia e veio ao Brasil para jogar e se profissionalizar no Vitória... que, por sinal, está de volta à elite do futebol brasileiro, lugar de onde nunca deveria ter saído.


Minha nota: 7,8
IMDB:  7,0
ePipoca: 5,5


Download:

6 comentários:

  1. Se para governar um país não é preciso ter educação, formação escolar...

    Então por quê todos querem ter acesso a médicos super-bem preparados para se tratar?

    Por quê querem advogados super especialistas para se consultar?

    Por quê querem viajar em aviões pilotados por pilotos com milhares de horas de vôo?

    Mas, para governar um país, decidir o destino de milhões de pessoas, aí o sujeito pode ser um analfabeto funcional?

    Então tá... depois não reclamem...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anonimo. Nao sei onde voce leu que para governar um país o sujeito pode ser incompetente ou que Evo seja incompetente.

      Por coincidencia, te escrevo de Sucre, na Bolivia. Daqui dá pra sentir e aprender o quanto esse tal "analfabeto funcional" que voce supoe tem contribuido para melhorar a sofrida vida do povo boliviano. Que tenhamos mais bons professores, advogados super especialistas, medicos super-bem preparados, pilotos com milhares de horas de voos e um "analfabeto funcional" em nossa latinoamerica.

      Az

      Excluir
    2. Eu estou me referindo ao populismo barato, desses que pregam que "se o cara é do povo, só ele pode entender as necessidades do povo".
      Lula nunca foi povo. Se traveste de povo para conseguir votos.
      Morales, Chavez... tudo farinha do mesmo saco.
      A ilusão de que, com esses nomes, "o povo está no poder" beira a infantilidade.
      Por trás de Morales, Chaves e Lula estão os milhões de dólares da coca, do petróleo, das riquezas desses países, devidamente contabilizadas pelos grupos econômicos - PRIVADOS - que realmente mandam no mundo.
      Que tipo de melhorias vemos no Brasil, que a tão falada nova classe média gosta de arrotar por aí? Melhores escolas? Melhores hospitais públicos? Nada disso... agora temos mais crédito para comprar automóveis, eletrodomésticos e mais de 30 anos pra pagar nossa casa!! É uma ilusão. Uma melhoria baseada na DÍVIDA a curto, médio e longo prazo. Que compromete por 10, 15, 20 anos toda a renda do coitado que acha que agora tudo está melhor. Na verdade está pior, pois antigamente se compravam carros e casas À VISTA.
      Essa é a arma deles: iludem o povo com uma falsa sensação de poder. O poder do voto, o poder das compras...
      Saramago já dizia que a democracia como a conhecemos é uma mentira.
      A pobreza continua existindo aqui, na Bolívia, na Venezuela... a melhoria é uma ilusão.
      Quer ver um exemplo do que é pensar no povo e melhorar, com M maiúsculo?
      Procure conhecer a história da Coréia do Sul, dos anos 50 pra cá. Eles eram iguais o Brasil: povo sujo, sem educação, porco, grosseiro, alto indice de corrupção, crimes...
      Com investimento maciço em educação mudaram a cara do país. PRA MUITO MELHOR.
      ISSO é governar pensando no bem-estar coletivo. Isso é governar pensando na nação como um todo, e não para agradar grupinhos específicos para garantir votos para a próxima eleição.
      Falta aqui, na Bolívia, na Venezuela, um estadista DE VERDADE. Não um bonecão populista manipulado pelos grupos economicos que estão por trás deles.
      O Brasil nunca passa disso: uma promessa, uma ilusão de que um dia chegaremos lá. Já era pra termos chegado lá há décadas.
      Boa sorte aí na Bolivia!

      Excluir
    3. Bem... entendo o que voce quer dizer e onde voce quer chegar. Concordo em muitos pontos que voce colocou, mas discordo de outros. Sinceramente, gostaria de discutir mais profundamente essas questoes que voce colocou, mas por agora nao tenho tido tempo para arrumar as ideias. Uma boa discussao como essa se daria muito bem em uma mesa de bar. És baiano? Se for, quem sabe nao esticamos esse papo em um barzinho de Salvador. Se nao, adiamos a discussao. De qualquer forma, acho válida a sua opiniao postada por aqui. Só enriquece o filme e as possiveis conclusoes.
      Estou na Bolivia, tentando entender e aprender um pouco mais sobre o contexto socio-político do país. Quem sabe nao posto aqui no blog um pouco do que absorvi por aqui pela Bolivia.
      um abraco,
      hasta luego!

      Excluir
  2. Não consegui baixar. Não teria outro link?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi. Atualizei o link.
      Pode tentar baixar agora.
      abraço,
      Alex

      Excluir