segunda-feira, 19 de novembro de 2012

293 - Sou Cuba (Soy Cuba) – União Soviética (1964)



Direção: Mikhail Kalatozov
Roteiro: Enrique Pineda Barnet; Yevgeni Yevtushenko
Uma visão poética de vários aspectos da vida em Cuba pouco antes da queda do regime ditatorial de Fulgêncio Batista, através de diversos episódios.

Eu sou Cuba, ou eu sou Brasil.
Onde os gringos vêm atrás de drogas, mulatas, festas e prostitutas. Onde somos vistos como um quintal, para que eles possam esfregar seus dólares nas nossas caras, enquanto esfregamos nossas bundas na cara deles.
Onde a multinacional, o latifundiário ou o grande investidor põe pra fora das terras o pequeno agricultor. Onde a grilagem é conquistada a partir da bala do capanga e legalizada através da caneta de um Gilmar Mendes da vida.
Onde, um dia, militares proibiram manifestações políticas, censuraram a imprensa, perseguiram os estudantes, assassinaram jornalistas e sitiaram todo um país.
Eu sou Cuba, onde, num belo dia, jovens armados desembarcaram em Sierra Maestra e mudaram para sempre a história desse país, até então, insignificante para o mundo.
Cuba, apesar de todos os acertos pós-revolução e de todos os erros pós-autoritarismo-de-Fidel, sempre será o símbolo de uma geração que um dia teve a esperança de romper com um modelo gerador de injustiças.
Cuba e Brasil: dois caminhos distintos, para a tentativa de superação de um mesmo problema.
Mas, Eu sou Cuba, além de tudo isso, é, sobretudo, uma aula cinematográfica. Seus planos, enquadramentos, plano-seqüência e movimentos de câmera são extremamente bem elaborados, com um primor técnico louvável. É a escola soviética reforçando o seu caráter de ter na forma uma importância igual ou maior que o próprio conteúdo (recorrentemente panfletário).


Minha Nota: 8,0
IMDB: 7,9
ePipoca: 4,4

Sugestão: Morango e chocolate

Download:

3 comentários:

  1. Como foi dito, é um filme para ser admirado mais pelo aspecto técnico do que roteiro, interpretações etc.Mas o plano sequência saindo da fábrica de charutos para acompanhar o enterro e o feito em diversos níveis do hotel de luxo são fantásticos . A fotografia em preto e branco com nuances é outro destaque.Vale muito a pena conhecer esta obra que não fez sucesso na época nem em Cuba nem na extinta URSS.

    ResponderExcluir
  2. Deixando um link válido para o Documentário - Soy Cuba - O Mamute Siberiano em AVI - http://mcaf.ee/23qjn

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Bruna.
      Também atualizei o link aqui.
      abraço,
      Az

      Excluir