domingo, 18 de novembro de 2012

292 - O Conde de Monte Cristo (The Count of Monte Cristo) – EUA (2002)



Direção: Kevin Reynolds
Roteiro: Alexandre Dumas père; Jay Wolpert
Um jovem é preso injustamente e planeja fugir para executar seu plano de vingança.

O filme preenche qualquer tarde ociosa e é, inegavelmente, uma história muito bem contada.
Só que não mais que isso.
O problema, no entanto, é que me incomodo com alguns clichês que surgem da falta de criatividade de um roteirista ou diretor.
Por exemplo, uma seqüência clássica do filme [spoiler] que é quando Edmond foge da prisão, é repleta de inconsistências. Primeiro, como ele conseguiu entrar num saco e se amarrar até a cabeça? Tudo bem, isso até pode passar. Mas, ele cai de uma altura altíssima e sobrevive numa boa? Vá lá, talvez seja possível. Mas, aí, ele passou mais de uma década sendo alimentado com uma dose de concha diária, e ainda assim consegue ter energia para nadar durante 1km? Ok, digamos que com garra é possível. Mas, o que não tem perdão é um clichê extremamente recorrente nos filmes: o cara foge de um lugar, nada por uma distância interminável e, quando ele está perto da costa, o que ele faz? Continua nadando até chegar em terra firme? Claro que não! Ele, simplesmente, desmaia. E o que, obviamente, aconteceria? Ele morreria afogado. Mas, não. Ele, desacordado, é levado até a borda, e quando sua cabeça toca na areia, ele desperta e se emociona por concluir o seu objetivo. Então, se algum roteirista de Hollywood tiver lendo esse texto, por favor, no próximo filme faça com que o seu personagem nade até a borda e, de forma consciente, chegue até a areia e, aí sim, desabe de cansaço. Mas, essa de fazer o cara nadar, cortar a cena, e, de repente, aparece ele desacordado, sendo levado pelas ondas até a praia, é de doer. Como diria Padre Quevedo: isso non ecxiste.
Tudo bem, estou sendo bem chato. Mas, é que o próprio filme é muito quadradão, muito “bom moço” e quando termina a minha sensação é “Tá, legal, mas...”.


Minha nota: 6,9
IMDB:  7,6
ePipoca: 9,5


Download:

2 comentários:

  1. BRECHT: O filme é, por excelência, uma verdadeira droga. Sua análise foi até gentil. Nem mereceria nenhum comentário, mas não achei justo deixa-lo falando no vácuo. Parabéns pelo blog e, principalmente, por apresentar sua visão critica dos posts. Felicidades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha, tem gente que ama esse filme, mas eu compartilho com sua opinião. Obrigado pelos elogios e pela visita!
      abraço

      Excluir