terça-feira, 10 de julho de 2012

154 - O Tesouro de Sierra Madre (The Treasure of the Sierra Madre) – EUA (1948)



Direção: John Huston
Roteiro: B. Traven; John Huston
No México, dois americanos ouvem, maravilhados, relato sobre o ouro de Sierra Madre. Partem para lá, dispostos a fazer fortuna, enfrentando muitos obstáculos pelo caminho. Mas estão obcecados a ponto de perder a razão. Para eles, só o ouro importa.


O Tesouro de Sierra Madre é um filme sobre um casal de namorados, cuja relação começa a se deteriorar quando um deles recebe uma bolada na loteria. Ok, O Tesouro de Sierra Madre não é sobre nada disso. Mas poderia ser. Poderia ser sobre qualquer relação, onde entra grana na jogada.

No caso do filme de John Huston, a relação se dá entre três homens, unidos pela pindaíba em que vivem e pela aventura de se meter nas serras mexicanas em busca de ouro. E eles o acham. Pronto, entrou grana na jogada e, daí em diante, a relação só se deteriora.

Ou seja, o problema não é o dinheiro, mas o ser humano. O ouro não tem espírito, nem vontade própria. O indivíduo, sim. É ele quem pode ser ganancioso, confiável, solidário ou traidor. O dinheiro é só um elemento capaz de implantar o caos na relação. Mas, no final das contas, é o indivíduo que é responsável por permanecer de pé, ou cair.

É por isso que O Tesouro de Sierra Madre não é somente um filme clássico de aventura, mas é, sobretudo, sobre seres humanos e seu relacionamento diante de situações impostas pela força da grana – aquela mesma que costuma erguer e destruir coisas belas, como monumentos, amizades, casamentos...


Minha Nota: 7,9
IMDB: 8,5
ePipoca: 8,1

Quem gostou desse filme, pode gostar de:

Download:

3 comentários:

  1. É um grande clássico sobre a ganância dos homens.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Meu caro Az
    Já está ficando até meio redundante essa "rasgação de seda" aqui no 366...! KKKKKK
    Pô cara, que texto bacana ( será que alguém ainda usa isso??! ) o seu! Muito bacana também a citação de "Sampa" (...Da força da grana que ergue e destrói coisas belas...) que considero uma das pérolas da nossa melhor MPB. Apesar de ser um cinemaníaco veterano, ainda não vi este clássico do grande John Huston de quem sou fã de "carteirinha assinada".
    Desta vez não me escapa!
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi django,
      mais uma vez fico lisonjeado com seus elogios. Não se iniba em continuar rasgando seda, hehehe.... E quanto tiver de criticar, fique à vontade também. Certamente, suas observações são sempre pertinentes.
      Se você é fã de John Huston vai adorar esse filme. É recomendadíssimo!
      grande abraço
      Az

      Excluir